Archive for the ‘sobre mim’ Category

Articles

Fotografando

In diversão,momentos,sobre mim on janeiro 4, 2010 por @rustymind

É fato que uma das coisas que mais gosto de apreciar na  vida são fotos das mais variadas espécies. Pessoas, auto-retratos, paisagem, lighpainting, lugares, etc tudo é capaz de atrair minha destreinada atenção. Mais interessante é o papel de quem fica por trás das lentes concebendo todo o trabalho ou clicando algo com livre interpretação e, por isso, cheio de conteúdo subjetivo, diversão e porque não beleza?

Fotografar é a certeza de fazer com que duas cabeças, no mínimo, possam voar. O ânonimo-amador e o observador implícito mas sujeito, senhor dotado de interpretação.

Fotos Recentes no meu Flickr:

Articles

#vidadegordinho

In sobre mim on setembro 20, 2009 por @rustymind Marcado: , , ,

Perder peso é um grande problema. Poderia começar este texto com uma enxurrada de dados a respeito da obesidade como uma dos maiores problemas de saúde pública do mundo, se realmente números mobilizassem um gordinho a mudar seu estilo. A realidade é  bem mais pesada decisões simples podem fazer toda a diferença.

Em Fevereiro deste ano ano, ás vésperas do Carnaval, eu tinha 92 kg e parecia realmente não me importar com isso. Comer era um dos meus maiores prazeres embora  o tradicional assalta de geladeira não fazer meu estilo há um bom tempo. Doces, massas e gelados são realmente chamativos em  todos os aspectos.

Era uma manhã e eu me arrumava para encontrar alguém que veio de outro estado e que tínhamos nos visto há 2 anos e, como uma garotinha que vai encontrar o príncipe, eu queria ta bonitão para causar um boa impressão a ela. Cheguei na frente do espelho e pensei Porra, eu tô gordo!, isso foi o pontapé inicial para a grande mudança que aconteceu na minha  vida. Felizmente minha aparência não foi tão decepcionante mas decidi que  ao menos naqueles dias de folia iria tomar apenas H20, parente mais próximo do refrigerante. Depois de tanto pular, fechar a boca só um pouco e substituir Fanta/Sprite/Pepsi por algo menos calórico eu já tinha diminuído 2.000 gramas do montante inicial rs

Uma semana depois fui com vergonha pela primeira vez na vida a uma academia, fiz minha matricula e logo pela manhã já estava eu desengonçado a brincar de quase morte a cada minuto. Sabia que seria difícil mas não contava com a parte de ter de obter algum conhecimento sobre metabolismo, fisiologia do exercício e a parte técnica mesmo que vai desde ao tempo de caminhada numa esteira a posição de levantar os pesos. Precisava de estratégias para que tudo aquilo não passasse de mais uma empolgação fulgás.

Minha estratégia foi a do auto-conhecimento (momento auto-ajuda). Como sou estudante da área de saúde, fui dentro das minhas cadeiras na universidade e no meu pouco tempo livre entender maneiras inteligentes de eliminar calorias de acordo com minhas necessidades.

Era sem duvida um sacrifício para mim. Malhar perto da universidade era uma forma de não me fazer desistir ou arranjar desculpas, pensar nos resultados estéticos me fez cuidar ainda mais de mim porque nem vivo naquela hipocrisia que uma mente bonita faz tudo, ficar todo dolorido na correria do pior período escolar até agora realmente requeria seriedade e disciplina. Perder peso é o irmão mais velho do ato de abandonar maus-hábitos

Fui aos poucos me habituando a comer pão integral, arroz integral, pouco açúcar e menos massa. Concomitantemente, a balança sorria a cada vez que subia nela e eu comecei a ter mais estimula e uma melhora considerável na auto-estima. Fui realmente tomando consciência do mal que vinha causando a mim mesmo (tal qual fumar, beber ou até fumar)  e, sim, tinha certa que nunca mais queria chegar tão perto dos 100.

A minha vida começou a tornar-se mais estressante. Ia todos os dias assistir as piores aulas do mundo, fazer provar e me aborrecer com alguns professores e eu senti um mal estar terrível até o dia em que tive uma aula de Fisiologia que o professor ensinava a aferir a Pressão Arterial e…surpresa: a minha estava bem alta. Coloquei a culpa no estresse e, persistindo, procurei o médico e descobri minha hipertensão emocional (vai no Google). Tinha em mãos mais um motivo justo para me manter no caminho.

Entendi que ficar magro, ter saúde e cuidar da aparência não era algo tão fútil quando eu pensava, não que minha percepção da realidade se limitasse a isso. Chega uma hora que é mesmo necessário redefinir suas prioridades e pensar na sua vida como algo orgânico, fundamentalmente e  quase exclusivamente do teu interesse. Tudo pode parecer bem obvio mais a maioria das pessoas passam batido por isso e acabam esquecendo do equilíbrio clássico mente sã, corpo são.

Passado o período adaptativo, vieram outros mas fui viciando em tudo de bom que o exercício me proporcionava e consegui perder 8 kgs com todas  essas práticas. Decidi procurar uma endocrinologista já que meu cardápio estava balanceado mesmo sem a ajuda de um profissional nutricionista e  meu corpo simplesmente parecia travado. Fui animado e com o argumento de que a eliminação de gordura corporal, sobretudo abdominal, reduziria ainda mais a P.A  e assim descobri o Cloridrato de Sibutramina.

Estudante de Farmácia que sou, tenho o habito de consultar a farmacologia de todos as drogas que consumo (já vi a da Coca e da…brincadeira) e uma vez feito todos os exames e com o devido acompanhamento dos duvidosos médicos  de hoje em dia comecei a consumir o tal Vazy e Slenfig e continuei minha programação local. Felizmente não senti praticamente nenhum dos efeitos comuns ao medicamento, exceto uma mau-humor sem igual e uma apatia preocupante nos primeiros 7 dias que depois foram sumindo e, no contexto das férias, fui ocupando meu tempo livre. Mudar de academia facilitou o processo uma vez que na nova eu tenho um pouco mais de atenção (mas não tanta) e  lá tenho avaliação física de tempos em tempos, logo, meu programa de exercícios é mais focalizado nos meus objetivos e a proximidade de casa elimina muitos dos transtornos antigos.

Hoje, 8 meses depois, livre das drogas (imagino alguém que lê só esta parte do texto), perdi 17 kgs e minha pressão está controlada. Mais importante que isso, acho que minha mente e hábitos também e agora ocupo meus esforços em controlar o peso, perder mais gordura e ganhar músculos, massa magra, que consomem meu glicogênio e combinado com uma serie de fatores e a medida correta de exercícios aeróbicos, conseguem me deixar equilibrado. É um jogo bioquímico e matemático divertido de se acompanhar quando se tem um pouco de boa vontade.

As pessoas continuam me parando perguntando o famoso o que você fez para emagrecer? e confesso que ainda não me enxergo tão magro assim, exceto minhas roupas que estão todas folgas e, sem a ajuda do Gugu (ajuda eu!), fica difícil renovar o guarda-roupa do dia para a noite. Esse não é bem o meu foco. Apesar dos estudos, mantenho com relativa facilidade o habito de correr 15 minutos, caminhar mais 20 ou 30  na esteira e às vezes complemento ou substituo com caminhada pela Beira Rio, pista aqui pertinho de casa, para livrar-me do tédio e depois sigo com a musculação normal. Acho que sem um iPod ou qualquer meio para se ouvir música seria mais difícil já que exercício repetitivo entedia até as pessoas mais dinâmicas, faço uma seleção semanal de pop eletrônico, trance, psy, forró e meu tradicional indie rock. Claro que não podemos deixar de dizer que academia é um local de pessoas fúteis e que tem horas que só pensando na vida e ligado em uma música dá para conviver com algumas pessoas.

Não sei o quanto esse texto mudará a  cabeça de quem se propor a lê-lo mas é minha forma de dizer que estou feliz, satisfeito e que, sim, é possível superar as dificuldades e que com boa vontade chega-se lá uma hora ou outra. Meus atuais objetivos são perder ao máximo o resto da gordura, encontrar alguma definição muscular e a fazer a coisa mais chata que é comer sem vontade e fora de hora (diga a cada 3, entre as refeições) para acelerar o metabolismo. Vou chegar lá rápido porque agora disponho de um peso a menos nas costas e em todo lugar

Articles

What are you doing, Mc Giver?

In sobre mim on agosto 23, 2009 por @rustymind Marcado:

Algumas pessoas são premiadas por eventos nada comuns  em sua vida. Por astúcia celestial ou provação luciferiana, esses indivídios sofrem uma séria bateria de testes par ver aonde vai sua paciência, bom-humor e capacidade de complicar-se e cair na confusão. Conheça mais sobre o assunto de maneira bem exemplificada por quem? Sim, por mim!

#epicfail  nível 1

Segunda-feira passada começou o curso de Inglês. Tudo seria muito bonito se não tivesse esquecido da data e, ao me dar conta do fato, sair correndo para chegar menos atrasado. Alcancei o objetivo.

É estranho chegar a uma turma nova, justamente pra mim que só convivi com 3 turmas em toda a minha vida: o colégio (a mesmo do maternal ao 3º ano), inglês básico e a da faculdade. Sentei num canto e tratei de participar.

Dentre os novos alunos daquela classe, há um colombiano que participa daqueles programas de intercambio da universidade e que aproveitou para fazer o curso de Inglês. Detalhe: o cara não fala quase nada de Português, muito menos Inglês com perfeição e fica alheio a todas as piadas por falta de contexto.

Estávamos nós em grupo fazendo atividades e com a difícil tarefa babilônica de agregar todos os idiomas concomitantemente e eu paciente traduzindo com ajuda de… (DEUS!) as coisas pra o gringo. Troquei  go on por c’mon e um outro cara tratou de me corrigir e depois discordou da minha explicação em espanhol.

Soltei um irado: Sei lá, nunca gostei de espanhol mesmo! Silêncio constrangedor. Rosto vermelho. E todo mundo acabou caindo na risada pela minha cara de vergonha. Expliquei que não era exatamente da pessoa dele. Não sei se consegui explicar nada direito, do começo ao fim

#epicafail 2

Sabadão um dia de sol, praia e muita curtição dessa galera esperta. Eu que sou mais modesto só queria mesmo assistir minha aula prática de orgânica e depois trabalhar como Dj e estar com minha turma nos jogos da faculdade. Acordei cedo, primeiro fui às prioridades: estudar.

Grupo feito, aula iniciada, experimentos em andamentos, testinho respondido e chegou a hora de lavar as vidrarias. As boas práticas de laboratório pedem por sabadão, enxágüe e, para desinfetar, nada como água destilada, que ficar guardada em uma vibraria, que nem é exatamente de vidro, chamada PISSETA.

Eu e minha mente estabanada, confundimos Pisseta com Bureta, some-se uma dislexia tênue e confunda Bureta com, sim, vocês entenderam! Só acrescente chamar isso na frente de 2 meninas conhecidas e outra de outro período. Contudo, minha série de trapalhadas nem estava perto de acabar…

#epicafail 3,4,5,6,7,8,10,….,n

Os jogos foram muito legais, ri, comi, dancei, toquei para as pessoas e, antes de estendermos as comemorações no bar em frente da faculdade, fui pegar uma encomenda perto da universidade rural. Serviço feito, hora de voltar e acabar o Sábado mais feliz.

Voltando pela avenida perto do Zoológico de 2 Irmãos, o carro morre enquanto outros vem atrás. Mantive a calma por causa da velocidade, liguei o alerta e encostei numa parada de ônibus, felizmente, sem bater em nada e ninguém. Tentei dar partida de novo e nada e nunca mais consegui.

Daí decorreriam várias horas, num total de 5 entre espera de quase 2 por ajuda, sede, solidão, falta de dinheiro (tinha que pagar a encomenda e esqueci o dinheiro, gastei o meu e fiquei com 1 real no bolso, que diga-se de passagem não dá nem pra 1 garrafinha de água) , esmola (foi tudo que pude fazer quando uma mulher me pedia ajuda pra voltar pra casa, deu meu único real sem saber se estava ajudando, mas o mesmo era mais útil a ela naquele momento) , ausência de créditos no celular e de sinal (se os bônus ainda deixavam ligar para casa e para 1 pessoa, a Claro não cooperava e ficou difícil completar quaisquer ligação, quando os amigos ou não atendiam o celular e a operadora dizia categoricamente que não era possível completar a ligação), mal entendidos (meu tio foi parar em outra cidade atrás de mim) e perigo (sim, havia uma barraquinha na frente da parada de ônibus que não costuma ficar aberta até as 22 horas mas, sabem como é, até mesmo os bêbados do outro lado da rua cansam e voltam pra casa, logo, tive de ficar naquele esquisito esperando alguém).

Coloquei água para o arrefecimento com ajuda de algumas pessoas mais cedo, não estava faltando gasolina, muito menos carga na bateria. Triste fim. O carro não pegaria antes do meu tio chegar, nem depois. Acreditem que uma tira de pano vermelho ficou exatamente em baixo de toda a correia do motor, de forma inexplicável, empenando as velas e impossibilitando a partida. Solução foi rebocar e depois chegar em casa, levado pelo meu tio, exausto porém incrivelmente feliz.

Eu sou sortudo, eu sou feliz. Os problemas acontecem mas o santo parece ser forte e decidido. Um dia quando me aposentar, até estimo escrever um livro contando todas as encrencas que me meto, por enquanto, eu rio durante e depois que passa. E quem não gostaria de ter uma vida parece com um seriado?

~ tumblr (my multimedia blog)

Articles

Cloridrato de Bom Censo

In sobre mim on agosto 12, 2009 por @rustymind Marcado: , , , ,

Em tempos de Gripe Suína, H1N1, Gripe A, Influenza ou qualquer coisa do gênero, não importando o nome do monstro, a mídia tem uma influencia sem igual no bom censo da população em geral.  Infelizmente por desconhecimento, falta de atendimento médico adequado e ausência de vagas no sistema de saúde milhares de pessoas morrem ou sofrem de complicações renais, cardíacas e comprometem o sistema nervoso por ingerirem substancias nocivas ao metabolismo e a própria patologia que se deseja combater. É preciso mudar essa situação.

Diante de 34.000 casos por ano, segundo o Sinitox,  não se poder cruzar os braços por parte de profissionais da área de saúde em geral e nós farmacêuticos. É lamentável que até mesmo os próprios médicos desconheçam  as noções básicas de farmacologia, mecanismo de drogas e perigos na combinação de remédios, que pode ser letal.

O primeiro passo básico é: informe-se e discorde. Sim, antes de tomar quais medicamentos (de uma simples Aspirina a um calmante) fale ao seu médico ou farmacêutico todos os sintomas com fidelidade, outras drogas que você consuma e exija (porque não?) saber como ela vai atuar no seu organismo e os possíveis efeitos colaterais. Evite erros comuns porém graves como interromper tratamentos de qualquer natureza sem avaliação prévia do seu médico e tomar antibióticos fora de hora. Lembre-se que anti-inflamatórios interferem nas condições fisiológicas renais, cardíacas e pode aumentar a P.A (pressão arterial), analgésicos podem irritar a mucosa gástrica, entre outros. Diante de quaisquer sintoma que indique reação alérgica e/ou choque anafilático, procure urgentemente um posto ou local de atendimento médico.

Saúde é coisa séria e não se brinca. O clichê deve ser levado realmente a sério como prescrição fundamental para uma boa qualidade de vida. Informação e consciência são o limite principal entre o remédio que te cura e o que vira uma ”droga”

Articles

Penso, logo insisto

In música,sobre mim on novembro 20, 2008 por @rustymind Marcado: , ,

A vida e os dias têm me trazido uma oportunidade significativa: a de por em prática todo o meu conhecimento, adquirindo outros e enxergando novos horizontes. É um trabalho cansativo, oneroso, renunciante e estressante, contudo, vale a pena encarar uma nova vida com as várias possibilidades, o frio na barriga típico e, ao final, ver que seus objetivos foram alcançados de uma maneira geral . Sempre parto do princípio que expandir os rumos é primordial.

O mundo deu tantas voltas que até duvido que 2008 tenha sido apenas um ano, creio veementemente que não. Comecei uma faculdade e gostei dela, deixei a antiga cidade, tive decepções, passei por momentos complicados e fico feliz por tudo isso. Nada é tão incerto quanto antes, isso me faz sonhar e , diante disso, tenho combustível suficiente para seguir em frente, então, sigo na hora que der.

O fato é que estou cansado mesmo. Fracassei no aspecto vida social, balada e curtição, que ficaram bem escondidos no caderno de planos e arregimentados por sete cadeiras que exigiam muito estudo, além do curso de Inglês e as viagens inadiáveis a Caruaru (não falo com mágoa). Agora as aulas estão acabando, preciso estudar para as últimas provas e cadê a disposição mental? Se não dá pra voltar atrás dos erros, ao menos aprenda com eles e não os repita. Isso me faz querer férias urgentemente com uma estima inédita. Não quero uma mente enferrujada e uma vida dessas pra sempre. Preciso pensar …


The Killers – Human

Integrando o novo álbum do The Killers que sairá no próximo dia 25, a música Human foi tocada ao vivo no último EMA de 2008. O programa contou com uma qualidade extraordinária nas apresentações ao vivo, exceto na escolha dos premiados, que não vem ao caso. Ao contrário de muitos artistas que funcionam bem em estúdio e ao lado de uma penca de produtores da tribo MTV , os Killers provaram que é possível fazer um bom Indie Rock com produção para impressionar o mainstream, mesmo já bem distante das raízes, não decepcionar os fãs e manter o clima alternativo das composições.


'Are we human?
Or are we dancers?
My sign is vital
My hands are cold
And I'm on my knees
Looking for the answer
Are we human?
Or are we dancers?'

Articles

Pensar enlouquece

In impressões,sobre mim on agosto 24, 2008 por @rustymind

Hoje faz um dia muito bonito aqui em Recife. O céu não tem muitas nuvens e mostra caçoando de mim o quanto ele pode ser azul ao lado do sol. Ainda tenho quase 40 páginas para estudar e preciso decorar os nomes de um monte de músculos, ossos e articulações para a primeira prova na Faculdade, que será na próxima sexta-feira.

A vida segue seu curso normal. Eu seria extremamente redundante se dissesse que tudo mudou e que estou tendo um monte de coisas novas a me adaptar , porém, posso dizer com propriedade e alegria que estou bem e entusiasmado com os (excessivos) estudos, bem como todo o universo a ser explorado que a gente encontra por lá. Isso sim é algo pessoal e relativo…

Diante de tudo, cheguei a “brilhante” e funcional conclusão que meu maior problema não é o tempo, ou a falta do mesmo, como queira, e sim a otimização desse generoso cidadão que não espera por ninguém. Não posso esquecer o quanto é importante estar envolvido em sonhos e projetos pessoais, mas que jamais posso abandonar a condição de ser -humano sadio e feliz que precisa sair , conhecer gente nova e aproveitar seus instantes na terra como os últimos . Preciso caminhar pelo caminho oposto ao de certas pessoas que reencontrei na Universidade e que na época do Colégio sorriam, corriam menos e eram menos estressadas. Ninguém irá me convencer que angústia é sinônimo de uma vida melhor. Acredito veementemente que não ser feliz é negligenciar a própria existência e eu quero sempre estar em dia com a minha…

Vanguart – Semáforo

Articles

Café na mente, óculos na mesa

In impressões,música,pensamentos,sobre mim on julho 29, 2008 por @rustymind Marcado: , ,

Não conviva com a ilusão de que você conhece totalmente a pessoa que está ao seu lado. Ser diferente e estranho não é vaidade, é propriedade do ser humano. Ensaia mas não se esquece de que não existe prévia da verdade. Do contrário, decepção.

Eu tive um mês bem diferente de tudo que já vivi. É certo que nem um dia é igual ao outro mas, definitivamente, os últimos 30 dias tentaram me colocar no eixo, sim, um novo eixo no qual imprevisíveis giros puderam me conduzir a uma nova visão das coisas e dos fatos. Se tem alguém que saiu realmente fortalecido diante de tudo, sem dúvidas, e com orgulho, trata-se de mim. Este velho guerreiro que não repousa de sua ansiedade de viver e que jamais desistirá de ser da vida um vivedor, segue em frente armado com a simplicidade de um novo óculos

“Os analfabetos do próximo século não são aqueles que não sabem ler ou escrever, mas aqueles que se recusam a aprender, reaprender e voltar a aprender”
( Alvin Toffler )


Radiohead – House of Cards